Pedido de Música

Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Jesus and Mary Chain em Sampa - Rádio Supersônica

Jesus and Mary Chain em Sampa

Eles salvaram o rock uma vez. Mas agora ficou difícil. “O rock and roll está enfraquecido hoje em dia. Não vejo muita atitude nas bandas mais novas. As pessoas parecem que ficam satisfeitas apenas por estarem em uma banda e isso é suficiente. Nas últimas décadas ninguém tem realmente tentado superar limites e é por isso que as coisas estão tão ruins na minha opinião”, diz Jim Reid, metade da dupla escocesa The Jesus and Mary Chain, em entrevista.

Jim tem moral para falar isso. Quando o punk havia entrado em declínio em meados dos anos 1980 no Reino Unido, ele e seu irmão Will Reid protagonizaram shows anárquicos de guitarras distorcidas que acabavam em brigas na (e com a) plateia. O que no começo parecia só uma performance nonsense de caos e barulho logo se revelou uma mistura fina: o disco de estreia “Psychocandy” (1985) colocava melodias docinhas de Beatles e Beach Boys debaixo de uma camada de som com a transgressão do Velvet Underground e a fúria dos Sex Pistols.

Sem os Mary Chain os Pixies não seriam os mesmos e sem os Pixies não haveria Nirvana, provavelmente a última banda clássica do rock. A influência dos irmãos escoceses chegou a tal nível que eles ganharam um verbete próprio na Enciclopédia Britânica – uma das mais respeitáveis compilações do conhecimento humano até a internet chegar.

É esse currículo que vai ao palco nesta quinta (27) em show único brasileiro no Tropical Butantã de São Paulo.

Para Jim Reid, hoje “todo mundo tem muito medo. Vá e incomode alguém. É rock and roll. Todo mundo fica pisando em ovos, tentando não ofender ninguém. A essência e a alma do rock são sobre abalar as estruturas. Estamos falando de Elvis Presley, Sex Pistols, os Beatles e os [Rolling] Stones. As bandas de hoje são muito inofensivas”.

No entanto, o cantor admite quase não escutar música hoje em dia. O radar das novidades é uma de suas filhas, que diz gostar muito de Billie Ellish (uma cantora de 17 anos que fez o Foo Fighters e ex-Nirvana Dave Grohl dizer que, com ela, “o rock n roll não está nem perto de morrer”). Foi a filha do Mary Chain que também apresentou o clipe de “This Is America”, do rapper Childish Gambino, um libelo sobre racismo e a história dos Estados Unidos.

“Provavelmente existe mais atitude no rap. O vídeo do Childish Gambino que teve toda aquela controvérsia tinha muito mais atitude do que qualquer coisa no rock de hoje.”

O Jesus and Mary Chain teve músicas e apresentações proibidas na BBC britânica e também atraiu atenção com as letras de “Reverence” (“Eu quero morrer como Jesus Cristo / Eu quero morrer como JFK / Eu quero morrer num dia de sol”). No primeiro disco em 19 anos, lançado em 2017, a dupla imagina assassinar Kurt Cobain a mando de Courtney Love na faixa “Simian split” (“Eu matei Kurt Cobain / Eu coloquei um bala bem no meio do seu cérebro / E foi a esposa dele quem me deu o trabalho / Porque eu sou um grande mentiroso desajeitado”)

“Olha, essa é uma música do meu irmão, então eu não posso falar muito. Mas a ideia não era ser desrespeitoso com ninguém, vivo ou morto. É uma ficção dentro de uma canção de rock. Nós somos grandes fãs de Nirvana e também gosto da Courtney. Ninguém tem que ficar ofendido.” Jim afirma que até agora ninguém se incomodou.

O show desta quinta em São Paulo, da turnê do álbum “Damage and joy”, também vai mostrar um novo Jim Reid: o cantor está sóbrio há dois anos e meio. Ele conta que sempre usou o álcool para enfrentar a timidez.

“É estranho que eu seja tão tímido e meu trabalho às vezes envolva estar na frente de milhares de pessoas”, afirma.

“Passei mais de metade da minha vida adulta ou lidando com isso [timidez] ou bebendo até morrer. Eu tenho um problema com a bebida. É diferente ir para o palco sóbrio. Demorou para eu me acostumar com isso. Mesmo que prefira subir ao palco assim, ainda é estranho para mim. Eu sempre serei alguém tímido. Acho que me conformei com isso.”

Jim Reid sabe que essa característica presente na imagem do Jesus and Mary Chain também inspirou muitos fãs ao redor do mundo.

“Nunca acreditaria se alguém me dissesse que, para o resto da minha vida, ficaria no meio de um palco com um holofote na cara. As pessoas viram que podiam fazer a mesma coisa.”

The Jesus and Mary Chain no Brasil

  • Quando: 27 de junho, quinta-feira, às 21h30
  • Onde: Tropical Butantã – Av. Valdemar Ferreira, 93
  • Ingressos: A partir de R$ 87 pelo site Ticketload

 

 

(via: G1)

Deixe seu comentário:

© Direitos reservados - Supersônica