Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Elza Soares e Pitty

pitty-elza-810x426

Aparceria é nova. O que une Elza Soares e Pitty na canção “Na Pele”, cujo videoclipe será lançado nesta segunda-feira (7), é antigo. Não apenas a luta pelo espaço da mulher, algo familiar para Elza não apenas na carreira, mas em toda biografia. O tema tampouco é novo para a roqueira baiana, que defende o feminismo em postagens de Instagram a programas de televisão. A letra e a música que colam as duas artistas seria uma faixa do disco “Setevidas”, lançado por Pitty em 2014.

“Mas, na hora, achei que essa música não pertencia àquela obra. Até tentamos gravar, mas a coisa não veio. Deixei a música na gaveta, esperando que ela tomasse um rumo no mundo. Eu já morria de vontade de fazer alguma coisa com Elza, é xaveco antigo. Admiro demais a vida e obra dessa mulher. E aí mandei a música pra ela, para que ela usasse como bem entendesse. E ela quis gravar comigo, vê só que honra. Aí, as pessoas tão achando que a convidada é ela, mas embora a composição seja minha, acho que o lance é mais Elza feat. Pitty”, contou em entrevista ao Noisey nesta sexta-feira (4), quando o áudio de “Na Pele” foi liberado em todas as plataformas digitais.

Além de empoderamento feminino, “Na Pele” toca na homofobia, no preconceito, na maternidade e no atual momento do rock nacional. “Olhe bem pra minha cara. Você vê que eu vivi muito?”, canta Elza, que tem 80 anos. “Contemple o desenho fundo dessas minhas jovens rugas”, rebate Pitty, aos 39. A música é como um grito rouco, mas não menos poderoso – com timbre rasgado e sons distorcido. Ouça abaixo.

 

(via:noticiasaominuto)

Deixe seu comentário:

Curta no social

Menu

Curta a Super no Face

Redes sociais

CONFERE AÍ: