Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Boteco na Zona Norte de Porto Alegre vira locação para filme de Hollywood

porto-alegre-hollywood-1

Dilva Araújo, 66 anos, nunca tinha ouvido falar do diretor indiano M. Night Shyamalan até que ele entrou em seu bar, no Beco das Moças, zona norte de Porto Alegre. Radicado nos Estados Unidos, um dos mais notórios cineastas de Hollywood adentrou no boteco na última terça-feira (20), vestido de camiseta cinza e tênis. Moreno, baixo, um tanto tímido, poderia se passar por morador da região – não estivesse falando “uma língua estranha”, acompanhado de um monte de gente vestindo preto e portando equipamentos de filmagem, descreve a comerciante. Preparavam gravações de uma cena de Glass, o mais novo filme de Shyamalan, terceiro de uma trilogia sobre personagens dotados de poderes paranormais.

Foi como se um marciano desembarcasse no Rubem Berta, bairro onde fica o Beco das Moças (um dos maiores e mais pobres de Porto Alegre). Bem, não foi um marciano, mas um sujeito que adora extraterrestres, fantasmas, espíritos e outros seres fantásticos. Já serve, né? Como o leitor já sabe, Dilva nunca tinha ouvido falar de Shyamalan – a quem ela apelidou de Chama Lá, para facilitar. Tampouco de seus filmes. Nem televisão Dilva assiste no momento, porque não comprou o aparelho decodificador do sinal analógico. Está sem assistir noticiário, e muito menos filme.

Ronaldo Bernardi / Agencia RBS
Dilva é adepta do mate, hábito que encantou cineastaRonaldo Bernardi / Agencia RBS

E alguns dos longas de Shyamalan alcançaram renome mundial, como O Sexto Sentido(protagonizado por Bruce Willis) e Sinais (onde, inclusive, há uma cena com um ET em Passo Fundo).

Essa ligação de Shyamalan com o Rio Grande do Sul pode não ser casual. Conforme Dilva, que foi apresentada a ele porque o cineasta se encantou com o bar e decidiu usá-lo como locação para filmagens, o diretor hollywoodiano “adora tudo que se refere aos gaúchos, do Brasil e dos países vizinhos”. Soube, por amigos brasileiros, dessa peculiar identidade cultural entre moradores do sul da América.

E motivações gauchescas não faltam no Bar Araújo, da Dilva. A começar por grandes painéis na parede, repletos de fotos de várias regiões do RS: Campanha, Campos de Cima da Serra, planícies próximas a Porto Alegre, Lagoa dos Patos, o Guaíba… Ao lado deles, uma grande bandeira do Rio Grande, pintada. No balcão, na parte de baixo, a frase desenhada: “Enquanto tiver um só gaúcho, jamais o Sul vai virar tapera”.

Tanto orgulho gauchesco faz parte das origens de Dilva, nascida e criada em Camaquã, que está há apenas 15 anos em Porto Alegre e frequenta todo fim de semana o CTG Gildo de Freitas. A música do bar, porém, não se limita a vanerão. Rodas de samba são mais frequentes, bem ao gosto dos moradores do beco.

O bar não foi escolhido ao acaso. Pela narrativa de Dilva, o cineasta percorreu toda Porto Alegre atrás do local ideal para retratar a cena de um jovem pobre que corre em busca de um abrigo – um ator com sotaque paulista fazia o personagem.

M.Night Shyamalan / Twitter/Divulgação
— Visitaram mais de 60 bares. Uns chiques, no Centro, na Cidade Baixa, no Bom Fim… nada se encaixava na ideia dele. Aí entrou no meu, viu esse mundo que motivações gaúchas e adorou — descreve Dilva, faceira.

É realmente um boteco alegre. Pelas paredes, fotos da clientela, copiadas e penduradas direto no cimento. No balcão, pinga e alguma cerveja, já que nem todo cliente tem dinheiro. Comida? Só para os próprios moradores, feita sob encomenda: não é vendida. A comunidade do Beco das Moças se reúne, cada um cede R$ 10 e, numa churrasqueira de latão, começa a ser preparado o churrasco. Animado com pandeiro e pagode.

Parece ter sido esse ambiente de genuína camaradagem que encantou os “olheiros” enviados por Shyamalan para perscrutar locações em Porto Alegre. Na terça-feira, eles entraram no Beco das Moças, gostaram do lugar e trouxeram o diretor para uma primeira olhada. Um rapaz de São Paulo fez as traduções. O cineasta pediu discrição, para poder filmar em paz. A primeira parte do trato foi cumprida: nada de mídia. Já a tarefa de afastar os curiosos… bem, impossível. O beco fervilhou durante dois dias.

Ronaldo Bernardi / Agencia RBS
— Eles me acordaram na quarta-feira com um café da manhã dos sonhos, por volta das 5h. Meu Deus, tinha de tudo. Nunca vi tanta comida. Comi eu, meus amigos e todos os que participaram das filmagens — descreve Dilva.

Todos, no cálculo de Dilva, são inacreditáveis 300 pessoas, uma multidão de gente transitando entre paus-de-luz, câmeras, claquetes, holofotes, caixas de som, caminhões, figurinos. Fiscais de trânsito bloquearam o tráfego com cavaletes… Tudo para filmar uma cena de uns três minutos, calcula David Miranda, neto de Dilva, que ciceroneou o pessoal de Hollywood. Aliás, levaram o dia inteiro repetindo a cena, várias vezes, acrescenta o guri de 14 anos. Encantados, os moradores gastaram baterias e baterias de celular, filmando tudo. David até cogita trocar o sonho de jogar futebol profissional pelo de cineasta.

— Dá vontade de participar disso tudo, dessa movimentação…

Dilva diz que a produção do filme pagou uma quantia para usar o local para locações e por uma pequena ponta no filme: ela e o marido atendem o jovem que corre dentro do bar. Por trato de confidencialidade entre as partes, o valor não é revelado. E o que fica da experiência?

David Miranda / Arquivo Pessoal
— Chorei de emoção. Nunca pensei em viver isso, aos 66 anos. Foi maravilhoso.

O filme

Por cláusula de confidencialidade, poucos porto-alegrenses ficaram sabendo que M. Night Shyamalan filmou esta semana na cidade. Ele próprio avisou só depois de concluir as filmagens, por meio de uma postagem no Twitter .

Glass, que terá uma cena gravada em Porto Alegre, é o terceiro filme de uma trilogia que começou em 2000, com Corpo Fechado. O primeiro filme contava a história de David Dunn (Bruce Willis), um segurança que sobrevive a várias experiências mortais. Ele desperta a atenção de Elijah Price (Samuel L. Jackson), conhecido como Sr. Vidro, que acredita que Dunn tenha superpoderes. Fragmentado (2017) apresenta Kevin Wendell Crumb (James McAvoy), um sujeito que sofre de transtorno dissociativo de identidade, distúrbio que o faz transitar entre mais 20 personalidades. Uma dessas facetas, denominada como A Besta, se revela como uma ameaça tenebrosa.

De acordo com a sinopse oficial, Glass acompanhará a perseguição de Dunn a Crumb. Entretanto, o personagem de Bruce Willis descobrirá que seu antigo inimigo, Elijah Price,  guarda segredos cruciais.

Previsto para ser lançado em 18 de janeiro de 2019, Glass tem um elenco que contará com nomes como Anya Taylor-Joy (co-protagonista de Fragmentado) e Sarah Paulson (American Horror Story).

 

(via: ZH)

Deixe seu comentário:

Curta no social

Menu

Curta a Super no Face

Redes sociais

CONFERE AÍ: